SAÚDE EM FORMA

O declínio de algumas capacidades físicas e mentais é natural. Aceitar o fenómeno é meio caminho para viver em equilíbrio. Seguir uma alimentação saudável, controlar o peso, praticar exercício físico e exercitar a mente, por exemplo, com leitura, jogos e conversas, permitem retardar a perda de faculdades associada à idade.


Os nossos pés

07-10-2021

Segundo a aplicação que tenho no meu IPhone terei andado no último ano 1333 Kms, uma média de 3,65 Kms por dia. Porém, se tiver em consideração que nem sempre me desloco com este equipamento, estou seguro de que essa distância terá sido bastante superior. Ainda assim dá para pensar!...

É sabido que o envelhecimento afeta o nosso sono e a qualidade do nosso repouso noturno, com isso contribuindo para muitos problemas de saúde, reduzindo a qualidade de vida das pessoas com mais de 65 anos.

Sim, porque sendo saudáveis tudo o resto na nossa vida teria que ter apenas o peso que lhe diz respeito, e não mais do que isso. Assim deveria ser ....

Ouvir a sua música favorita traz-lhe memórias positivas, melhora o seu humor, e cria um ambiente relaxado. Mas a música também pode ser um grande apoio para a sua saúde .

Caminhar oferece inúmeros benefícios para a saúde independentemente da idade e condição física. Pode ajudar-nos a prevenir certas doenças e até prolongar a nossa vida. Caminhar é fácil de fazer e de encaixar na nossa rotina diária. Tudo o que precisamos para começar a andar é um par de sapatos confortáveis e resistentes.

Tome a sua posição no tee de saída. Joelhos moderadamente flectidos, costas direitas e queixo levantado. Depois, o taco, as mãos, os braços, os ombros unem-se para desencadear a pancada. Caminhe então até à bola e continue a estudar o percurso, a topografia, os bunkers.

Os animais domésticos sempre estiveram próximos dos humanos independentemente da faixa etária. A ligação entre as pessoas e os animais domésticos é, desde há muito, uma aliança de vida e para a vida, como animais de trabalho, de criação e, mais de tarde, de companhia e de estimação.

Desde 1938 que Harvard conduz, de forma continuada, este estudo: What makes a good life?. Inicialmente com 724 homens, em 2015, 60% ainda estavam vivos. Apesar de as mulheres só terem sido incluídas em 2005, nos dias de hoje penso que a conclusão é independente do género.